Páginas

terça-feira, 1 de março de 2016

Rapel - Pedra da Tartaruga - RJ

O mundo por ela foi convidado por uma amiga (da onça...brincadeira rss) a fazer um rapel num dos picos mais frequentados e mais famosos do Rio de Janeiro, a Pedra da Tartaruga. Localizado na região das praias selvagens de Guaratiba, em área protegida pelo governo federal e próximo aos limites do Parque Estadual da Pedra Branca, a Pedra da Tartaruga é um recanto rochoso em frente à Praia do Perigoso que proporciona um rapel considerado por muitos o mais bonito da cidade.








Para chegar até a Pedra, pegamos uma trilha que parte de Barra de Guaratiba. Esta trilha, permite passear pela região das praias selvagens, alguns bichos tb (cobra, lagartas, lagartos...) É considerada uma caminhada de baixa a média dificuldade. A ida não foi tão ruim pra mim. Sou totalmente preguiçosa pra andar ainda mais em obstáculos mas a volta... sofri. (conto mais pra frente como foi a volta). 


A trilha tem duração de aproximadamente 45 minutos até a praia do Perigoso. No caminho da trilha, surge a Ilha Rasa de Guaratiba, uma bela ilha que possui como referência um farol. Minutos depois, surge a vista da Pedra da Tartaruga, q nos acompanhou durante o resto do percurso.




Ao chegar na altura da praia do Perigoso, a trilha divide-se em um caminho que desce para a praia e outro que continua até a Praia do Meio. Há uma pedra e uma sinalização na árvore que fica no meio da bifurcação. Descendo a trilha, chegamos  em um ponto aonde o lado esquerdo está a praia do Perigoso, do lado direito está a pequena praia Búzios e à frente está a pedra da Tartaruga e sua trilha de subida.



Para quem não quer efetuar o caminho por trilha, há a opção de contratar os serviços de transporte por barco em Barra de Guaratiba até a Pedra da Tartaruga. Porém, como o caminho é efetuado em alto mar, a possibilidade o transporte estará condicionada às condições do mar no momento.

Pra chegar até o topo da pedra, tem q subir por uma trilha curta, porém muito íngreme. Nesta subida eu pedi arrego!! Estava muito, muito quente!! Minha pressão baixou, tive q sentar umas 4x até chegar ao topo. Tive a ajuda de todas as pessoas participantes da trilha, em especial a Anne (amiga da onça) e Junior (marido da onça). Há algumas pequenas bifurcações, porém, deve-se sempre seguir pelo caminho mais delineado e que está em subida constante. Ao final desta trilha, que dura em torno de 15 minutos mas devo ter feito em uns 25 minutos, deve-se subir por algumas pequenas rochas até chegar ao topo do topo com um visual incrível da região. A caminhada até o topo da pedra é estimado em 1 hora em um ritmo moderado.





Do alto da pedra, numa altitude de aproximadamente 98 metros, aproveitamos pra descansar, comer, beber, apreciar a vista incrível... porém, não existe sombra. Sofremos com o calor q ao meu ver, marcava uma sensação de 50 graus e sem vento. Do topo podemos avistar as Praias do Perigoso, Meio, Inferno, Grumari, Prainha e parte dos bairros do Recreio e Barra da Tijuca.











Qdo cheguei ao alto, cansada, no sol (odeio sol), desisti de início em fazer o rapel mas depois de descansar, mesmo no inferno do sol pensei: já q estou ali, pq não?? Aceitei o desafio, aliás, foi um domingo de muitos desafios pra mim.














A sensação é incrível... Adrenalina, medo, visual maravilhoso, liberdade, limite superado....tudo misturado!

O rapel possui um início projetado em uma descida em formato de uma rampa por uns 5 metros. Logo após, há uma pequena descida na vertical em contato com a rocha por uns 3 metros, onde logo em seguida perde-se totalmente o contato com a rocha (rapel negativo= fiquei pendurada!) por mais 38 metros. Isto tudo com uma paisagem única ao fundo!













Após a descida, finalmente sombra!!! Ficamos com o restante do grupo descansando por uns 15 minutos até o retorno ao topo q é feito por uma trilha que segue lateralmente à pedra, à direita de quem está olhando em direção ao mar. Em seu ponto final, escalamos uma pedra, aonde a subida é punk!! Achei q não fosse conseguir. Nesta hora, o instrutor colocou o cinto em mim e disse q me ajudaria caso fosse necessário. É vc, sua força, seus braços, suas pernas agarradas a uma pedra e mais nada! Tenso... mas consegui e não foi necessário a ajuda do instrutor. Muito cuidado neste local devido à altura pois se cair, já era...


Na volta, resolvemos dar um mergulho na Praia do Perigoso. O retorno é feito pelo mesmo caminho da ida ou seja... aquela subida íngreme, virou uma descida animal mas valeu à pena pelo banho de mar. A água morna, cristalina... um caribe! Água batia no peito e conseguia ver meus pés. Incrível.







Após o banho de mar, a volta para o ponto inicial. Sofri pra voltar. Mistura de cansaço com o relaxar do mar, fome, sede, enfim... Tive q parar várias vezes, pressão caiu de novo mas isso tudo aconteceu devido ao meu zero condicionamento físico. Fui no meu limite. Superei! Consegui! Mesmo assim super recomendo esta caminhada mesmo para quem não pretende fazer o rapel. Foi um domingo de muita aventura e lazer recheado de um belo visual com pessoas incríveis. Sem a ajuda dos companheiros de caminhada (Anne, Junior, Isaias, Amanda, Monica, Erasmo, Jennyfer, Itamar e o pequeno João Vitor... sim, uma criança acompanhou de boa toda a caminhada, eu não teria feito nem metade do q fiz. Obrigada a todos pela paciência e disposição.

O q levar: Protetor solar, repelente, roupas leves, tênis, frutas, lanches, salgadinhos, água (muita água). Os ambulantes no meio do caminho vendem uma garrafinha por 5,00 (cinco reais)

Contato do rapel: Isaias (99550-9799) insta: Calvin Mayer 


Valor do passeio com rapel: 50,00 (com todo o equipamento)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poderá gostar também de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...